A luta em defesa da vida e contra o Suicídio

O DIREITO É NOSSO 18 de setembro de 2017 Por Gina Albuquerque

Acho fantásticas essas campanhas como Setembro Amarelo, em defesa da vida contra o Suicídio, que trabalham mensalmente um tema que nos levam à reflexão.

No mês de Setembro fazemos alusão à vida e clamamos contra o suicídio, O Direito é Nosso em Setembro de 2015 trouxe uma matéria acerca dessa problemática, especificamente sobre os jogos de desmaios que ocorriam entre os adolescentes, como se fosse uma brincadeira e que levava a uma falsa sensação de euforia, como se fosse um alucinógeno. Obviamente, a consequência desses “jogos” era a morte, que pelo desconhecimento da sociedade, das escolas e das próprias autoridades policiais era considerada como caso de suicídio.

1° Colóquio Internacional sobre brincadeiras perigosas (Foto: Gina Albuquerque/Acervo Pessoal)

O índice de suicídio no Brasil, segundo dados do Sistema de Informação da Mortalidade do Ministério da Saúde aponta um crescimento vertiginoso de 60% comparado ao ano de 1980 e o índice entre os jovens cresce cada vez mais. Recentemente nos deparamos com o Jogo da Baleia Azul, que possuía etapas a serem seguidas e uma delas era o suicídio, muitos jovens tiveram suas vidas ceifadas pelo envolvimento e o medo que os organizadores geravam.

(Foto: Reprodução)

Será lançado esse ano o filme “Esta é a sua morte”, que mostra até onde alguém iria para ajudar sua família dentro de um reality show, e neste caso o preço seria sua vida. Provavelmente a intenção dos autores foi de fazer uma crítica aos programas de TV que exploram dramas pessoais em troca de prêmios, mas ainda assim é um risco que pode ter efeito estimulador.

Há também uma série chamada 13 Reasons Why (Os Treze Porquês, estilizado como Th1rteen R3asons Why). Nesse seriado, uma jovem justifica os motivos que a levaram ao suicídio. Há uma preocupação constante dessas veiculações sobre o suicídio, pois dependendo da forma que ele é abordado, pode ter efeito preventivo e quebra de tabu sobre o assunto, como pode ter efeito inverso.

13 Reasons Why, Os Treze Porquês (Foto: Reprodução)

Sabemos que diversos são os motivos que levam alguém ao suicídio, como a depressão, as drogas, o bullying, etc… Como o suicídio é algo complexo, convidamos a psicóloga clínica Thamisa Mara, para explicar os motivos que levam às pessoas ao suicídio: “O cometimento de suicídio pode estar relacionado a doenças diversas de comprometimento da saúde mental, entre elas destaca-se a depressão. Os sintomas do transtorno depressivo (desesperança, tristeza persistente, apatia, baixa autoestima, pensamentos autodepreciativos e outros) funcionam como sinais de alerta à prática do suicídio, haja vista que a Depressão está associada a 60% dos casos de suicídio ocorridos no mundo (ALMEIDA; RODRIGUES; ARARIPE, 2015)”

Ela fala que é possível prevenir tal ato: “Conhecer, falar, escutar e divulgar essa temática é um passo significativo a nível cultural, isto é, na tentativa de desconstruir o preconceito e omissão a respeito dessa questão. Precisamos entender que quando se idealiza, planeja e executa o suicídio, comumente a pessoa está focada em findar o sofrimento emocional, não o desejo de morrer, a priori. Partindo dessa perspectiva de enxergar essa demanda do outro e de oferecimento de acolhimento à dor e à fragilidade do outro, prestar ajuda e suporte a esse outro se mostra mais provável de ocorrer. A prevenção é concebida por uma rede de cuidado, envolvendo familiares, amigos e profissionais da saúde (psicólogo e/ou psiquiatra). No que se refere à participação em jogos virtuais de práticas autolesivas e suicidas, que atinge principalmente o público infanto-juvenil, orienta-se aos pais ou cuidadores que se aproximem mais dos jovens, buscando conhecer e participar mais da rotina deles de modo afetuoso e consistente, a fim de prevenir o envolvimento em jogos como esses“.

(Foto: Reprodução)

No âmbito jurídico é importante esclarecer que a tentativa de suicídio não é crime, pois aumentaria a dor daquele que tenta, entretanto, é considerado crime, conforme o art. 122 do Código Penal, aquele que induz, instiga ou auxilia outro a cometer o ato.

A coluna “O Direito é Nosso” além de esclarecer à sociedade sobre seus direitos, busca exercer uma função social e acima de tudo disseminar o bem, portanto, vamos valorizar a vida, ela é uma dádiva e todos nós somos importantes para recebermos esse presente de Deus. Até a próxima, leitores!!