fbpx

Ceará Indígena em Aldeias Virtuais.

DIÁRIO DE BORDO 26 de junho de 2020 Por Thiciana Monteiro

(Foto: Iago Soares)

Trata-se do evento “Ceará indígena em aldeias Virtuais”, que ocorrerá no próximo dia 27/06, no Canal da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), com retransmissão pelo Theatro José de Alencar, Porto Dragão e CCBJ no Youtube. A ação tem por objetivo subsidiar a campanha de solidariedade realizada pela FEPOINCE nas comunidades indígenas, em que as 15 Etnias do Ceará seguem empenhadas no enfrentamento à Pandemia da Covid-19 por meio da solidariedade.

A parceria com a Secult vem para ampliar esta luta, através de uma programação cultural. Este será um momento de ocupação dos Povos Indígenas do Ceará nas “aldeias virtuais”. Durante todo o dia você poderá colaborar e obter lindas produções de artesanatos indígenas, fotografias e grafismos dos nossos artistas. Colabore, participe. “É uma ação de valorização de saberes e de práticas culturais dos povos indígenas no Ceará, promovendo a riqueza da diversidade das culturas indígenas”, destaca Alênio Alencar, coordenador de Patrimônio Cultural e Memória da Secult.

A Secretaria da Cultura integra a Campanha de Solidariedade aos Povos Indígenas, por meio do Comitê Gestor de Políticas Culturais Indígenas no Ceará, da Coordenadoria de Patrimônio Cultural e Memória da SECULT ( COPCM), e dos Equipamentos da Cultura Porto Dragão, Centro Cultural Bom Jardim e Theatro José de Alencar, este Patrimônio Histórico Brasileiro e Cearense, que completou 110 anos, na última semana. Esta ação dá continuidade à programação virtual do TJA.

Criada e protagonizada por indígenas, esta programação será apresentada a diversidade de saberes, ciências e formas de expressão em variadas linguagens artísticas. Serão documentários, depoimentos de mestres da cultura, ensaios fotográficos, apresentações musicais, contação de histórias, apresentação de pesquisas, rodas de conversas etc. Alguns dos conteúdos contarão com o recurso de acessibilidade, de interpretação em libras.

“Que todos possam conhecer melhor o que é a população indígena do nosso estado e a diversidade que se tem no meio da nossa população, com nossas  práticas culturais e espirituais”, destaca João Kennedy, do povo Tapeba, de Caucaia. O indígena lembra ainda que a ação tem o objetivo da arrecadação, para dar dignidade aos que estão sofrendo por conta da pandemia. “Torcemos para que a campanha seja bastante exitosa e possa ajudar o máximo possível de famílias. A gente faz a campanha na solidariedade aos nossos parentes que precisam dessa ajuda”, finaliza Kennedy.

(Foto: Iago Soares)

Campanha

A campanha realizada pela Federação dos Povos e Organizações Indígenas do Ceará (FEPOINCE), começou, no mês abril, através de uma rede de solidariedade com objetivo de auxiliar mais de 5 mil famílias indígenas em vulnerabilidade social, no período da pandemia covid -19. Essa rede de solidariedade continua em ampla mobilização para garantir a qualidade de vida das famílias indígenas, por meio de doações financeiras destinadas para  aquisição de cestas de alimentos, kits de higiene e limpeza, além das máscaras e equipamentos de proteção individual.

Para Doar, as pessoas poderão acessar um QR Code (Quick Response Code) no visor da TV ou celular, e será encaminhado para a Campanha da:

Federação dos Povos e Organizações Indígenas do Ceará

CNPJ :34.816.161/0001-70

Caixa Econômica : Ag: 0919 Op: 003 Conta: 5489-6

Sobre o Comitê Gestor de Políticas Culturais Indígenas no Ceará

O Comitê Gestor de Políticas Culturais Indígenas no Ceará é uma instância de participação e controle social que tem por finalidade consultar, planejar, articular, integrar, deliberar  e promover a gestão compartilhada entre o Estado e a Sociedade Civil para garantir o controle social das políticas públicas destinadas reconhecimento de formas de expressão, de celebrações e saberes das culturas indígenas. O Comitê é composto por 15 Etnias, Mestre da Cultura Indígena,  Sociedade Civil, Organizações Indígenas, Organizações Indigenistas, Universidades Públicas e Poder Público.

(Foto: Iago Soares)

Novidade da programação

A Programação contará com uma Feira online, aonde será ofertado artesanato, ilustrações, grafismos fotografias dos artistas indígenas cearenses. Os webespectadores poderão comprar as produções e ainda ajudar os grupos indígenas.

Programação

Publicidade

CONTEÚDO/ATRAÇÃO

Resumo

Oração com os Mestres da Cultura

Momento inicial do evento em que Pajé Raimunda, Cacique João Venâncio e Cacique Pequena fazem suas orações de Força para o dia, para nossa campanha e para a saúde dos povos indígenas

Fala Liderança Fepoince

e Apoinme

Fala de liderança da Federação dos povos indígenas do Ceará sobre a luta dos povos indígenas nesse momento de Pandemia

Fala de liderança da Articulação dos povos indígenas do Nordeste, Minas e Espírito Santo nesse momento de Pandemia

Apresentação Nativos do Forró

Uma mistura das tradições indígenas com o Forró, louvando a deus tupã, como diz em uma das suas principais músicas, e ao mesmo tempo levando todos a dançar. Luiza Canuto traz seu povo em suas músicas autorais, seu povo Tabajara de Monsenhor Tabosa, da Serra das Matas

Contação história Valdizia Jenipapo-Kanindé

Programação premiada no edital Cultura Dendicasa

  O povo Jenipapo-Kanindé tem em sua memória inúmeros mitos que fortalecem sua luta, nesse momento Valdizia divide com o público histórias de seu povo, histórias que são contadas em volta da fogueira, perto dos anciões, e que nesse momento de pandemia são trazidas ao ambiente virtual para ganhar os ouvidos daqueles que sabem como é importante preservar a memória dos povos originários

Fala sobre Espiritualidade com Pajé Barbosa

Pajé Barbosa do Povo Pitaguary usa esse espaço para ritualizar em nossa programação nesse momento tão difícil, para levar a ancestralidade dos encantados e a força das matas, águas das pedras do território sagrado do seu povo em Maracanaú

Documentário Encantaria

Encantaria é o lugar onde seres sagrados se manifestam através de forças da natureza. E através de Pajé Barbosa, da etnia Pitaguary, esse lugar se revela em sua dimensão; seja em uma roda de conversa, caminhando na Serra da Monguba ou em um ritual. filme de Fernanda Brasileiro.

Direto da aldeia-Cinema Indígena com Yago Jenipapo

Em um rápido momento Yago Jenipapo Traz sua experiência como jovem cineasta indígena, em seus anseios por registrar seu povo e sua realidade.

Curta Festa do Mocororó do Povo Indígena Jenipapo Kanindé

O mocororó na quenga (bebida originada da fermentação do caju) festa tradicional do povo indígena jenipapo kanindé, localizado na reserva Indígena jenipapo kanindé. Município de Aquiraz Ceará.

Instalação Tundá

Peça sonora do povo Tremembé de Almofala sobre espiritualidade.

Apresentação Parente Torém

O grupo parente Torém é um grupo de de dança formado por jovens indígenas tremembé da Barra do Mundaú, com a colaboração de Gerson Moreno da Cia Balé Baião, o coletivo traz na dança história e ritual do povo tremembé em sua resistência histórica na linha do mar contra a colonização desde Cabral até os dias atuais com empreendimentos que tentam tomar seu território, porém o povo Tremembé segue firme.

Direto da Aldeia- Literatura Indígena com Auritha Tabajara

Auritha Tabajara conta um pouco de sua trajetória como escritora.

Direto da Aldeia- Fotografia indígena com Bya Kanindé

Bya Kanindé, jovem fotógrafa fala sobre sua experiência com a câmera, sobre apresentar usa realidade, sua aldeia, sua vida com uma linguagem que por muito tempo foi negada aos povos indígenas, Bya representa o momento de revolta dos povos, de assumirem a fotografia também como um instrumento seu, para contar sua versão da História.

Documentário Uma aldeia Chamada Viração

Curta documental dirigido por Letícia Potyguara sobre sua aldeia Viração no município de Tamboril -CE, documentando sua terra e sua história. Esse curta foi elaborado a partir de uma oficina de vídeo e é uma pesquisa do jovem potyguara por sua raiz e pelo seu futuro.

Apresentação musical os Sons da Mata do povo Karão

O Povo Karão apresenta um de seus rituais ancestrais com seus instrumentos próprios e cultura cada vez mais forte. Conduzidos pela sua Cacique Mãe Ôta e pelo Pajé Rui seguem mostrando que o Ceará possui uma ancestralidade indígena presente.

Documentário Audiovisual indígena: os Kariris de Umari

Programação premiada no edital Cultura Dendicasa

Saberes e sabores: os indígenas cariris (r)eXistem é um dos nossos primeiros registros audiovisuais acerca das práticas, memórias e saberes ancestrais de nossa comunidade indígena Kariri, situada na região conhecida como Umari, na Chapada do Araripe, distrito de Monte Alverne, zona rural da cidade do Crato/CE. Nossa comunidade está organizada também como Associação dos Índios Cariris do Poço Dantas e, com o apoio de outros artistas colaboradores, idealizamos e criamos esse documentário como forma de DEMARCAÇÃO simbólica de nossas (r)eXistências.

Apresentação Maneiro Pau do povo Potyguara

Dança maneiro Pau dos potyguara do movimento Potigatapuya.

Apresentação Musical Antonio Gavião

Antônio Gavião, ou Toin Gavião como é conhecido é cantor e compositor de seu povo, trazendo a cultura dos povos indígenas do sertão em sua voz e violão, ele também traz na música pesquisa sobre a linguagem ancestral de seu povo o nheengatu.

Documentário Taba dos Anacé

Média realizado coletivamente pela juventude indígena  dos Anacé da Taba, primeira reserva indígena do Ceará, no qual contam seus caminhos e desafios um ano após serem realocados para a Taba dos Anacé

Documentário Toré dos Tabajara da aldeia Cajueiro

No sertão do município de Poranga se encontra a aldeia Cajueiro liderada pelo Cacique Jorge Tabajara, e esse é um pouco do ritual sagrado do Toré da aldeia sendo explicado e executado, é um convite a participar de um momento de fortalecimento nesse momento de pandemia em que precisamos nos reencontrar com nossa espiritualidade.

Visita Virtual ao Museu Jenipapo-Kanindé

Programação premiada no edital Cultura Dendicasa

O Projeto se propõe a ser um passeio virtual ao Museu Indígena Jenipapo Kanindé para compor a programação especial de difusão em plataformas digitais, durante o período da pandemia COVID 19. O Museu Indígena é responsável por apresentar aos visitantes indumentárias, artesanatos e utilitários representativos da etnia Jenipapo kanindé. É responsável por conservar, pesquisar e expor ao público um acervo etnográfico e etnológico composto por adornos plumários, indumentárias, armas, artefatos de ritual mágico, cerâmicas, instrumentos musicais, tecelagem, trançados, utensílios, etc, além do material fotográfico retratando o cotidiano da aldeia. É o museu de gestão comunitária. Uma potente ferramenta de reconstrução da memória, contribuindo no processo de reelaboração e fortalecimento da identidade étnica, mobilizador político e educacional.

Oficina de criação de peças e indumentárias indígenas com Carlinho Pitaguary

Programação premiada no edital Cultura Dendicasa

A arte indígena compartilhada pelo educador indígena Carlinho Pitaguary por meio deste vídeo traz, de forma simples, os saberes e costumes na prática da produção de peças artesanais indígenas. O vídeo é uma mostra resumida do trabalho desenvolvido pelo educador nos espaços socioculturais e educativos nas comunidades indígenas do Ceará.

Oficina de Pintura e grafismo indígena por Mateus Tremembé

Programação premiada no edital Cultura Dendicasa

A oficina “A força da Encantaria: Grafismo Indígena Tremembé da Barra do Mundaú” é facilitada por Mateus Tremembé, indígena, artista, ativista e coordenador do Ponto de Cultura Recanto dos Encantados do Povo indígena Tremembé da Barra do Mundaú, Itapipoca, Ceará. O grafismo indígena é uma expressão artística e cultural que traz elementos das cosmovisões e das relações com os antepassados e encantados do território.

Toré de Encerramento

Toré Coletivo de encerramento numa linda montagem, com a participação de 13 Povos Indígenas do Ceará.

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x