fbpx

Mangueira e a história que a história não conta

SINTONIZE-SE 8 de março de 2019 Por Jullyan Garcia

A Marquês de Sapucaí se encontra verde e rosa pela 20ª vez no Carnaval do Rio de Janeiro. Foi com a história que não é contada nos livros que a Estação Primeira de Mangueira se consagrou como a grande campeã do carnaval carioca.

Como faz para contar a história dos esquecidos? Parece que o carnavalesco Leandro Vieira achou a receita certa e colocou em prática no seu enredo “História pra ninar gente grande”, enredo que emocionou a Sapucaí com a história de índios e negros que foram esquecidos.

Foto: Rodrigo Gorosito/G1

O que me deixou mais espantado foi perceber que o povo brasileiro vive num país sem nem mesmo saber detalhes da história que edificou nossa nação. Questionando o mito do descobrimento, a escola veio desmistificar a história de grandes personalidades que são homenageados até hoje como: Duque de Caxias, Padre de Anchieta e muitos outros que viraram nomes de ruas e são tidos como gente boa. Chamando professores para reescrever a história dessas figuras o carnavalesco Leandro Vieira tentou mostrar a verdadeira face dessas figuras que marcaram as páginas de livros com sangue indígena e sangue negro. Páginas sanguinárias que foram apagadas da história.

A Mangueira também deu voz aos ícones atuais da luta pela igualdade. Como Marielle Franco que foi a grande homenageada ao final do desfile, na avenida Mônica Benício, viúva de Marielle, que estava representando a luta por justiça e logo após o desfile ao ser entrevistada por Fátima Bernardes, Mônica destacou a emoção de estar naquele desfile e também deixou seu recado sobre a importância da luta pela resistência.

Foto: Rodrigo Gorosito/G1

Ao final do desfile veio a grande imagem que resume o enredo e também proporciona voz para os esquecidos. A bandeira do Brasil nas cores verde e rosa e no lugar de “Ordem E Progresso” a verdadeira representação da grande maioria dos que aqui vivem “Índios, Negros e Pobres”.

Foto: Alexandre Brum/Agência

Parabéns nação Verde e Rosa. Parabéns Mangueira!

Eu fico aqui com a esperança de que dias de luta virão, mas no final a justiça e o amor vencerão. Fiquem ligados nas redes sociais d’O Divulgador e me siga no instagram @jullyangarcia

Publicidade